Na torcida pela boa mesa

Releitura gráfica feita pela Todos Nós em 2002 para um evento que se tornou tradição em Petrópolis. Estamos na torcida para que volte em breve.

Agência, Clientes | Comente

Lá na Noruega já sabiam

No velho e querido cor-de-rosa, o Jornal dos Sports, a Todos Nós nunca anunciou, por falta de oportunidade. Mas no “Upstream”, um tabloide cor-de-rosa norueguês especializado em exploração de petróleo (a cor mesmo é mais pra salmão, mas jornal norueguês cor de salmão cheira a trocadilho), a Todos Nós já veiculou, em um job para a Queiroz Galvão Perfurações. E só agora, mexendo no baú da agência nesta nossa interminável celebração dos 22 anos, é que descobri que era uma edição “histórica”. Era 10 de janeiro de 2003 e a primeira página do Upstream trazia diversas chamadas, abordando países distintos – além da própria Noruega, cobria também o Iraque, o Irã, os Estados Unidos, a Indonésia, São Tomé e o Brasil. Nós até que com destaque, com o título “Petrobras’ point man” no topo da coluna. No miolo, a página 6 era toda ela dedicada ao Brasil, estampando a matéria “Worker’s man at Petrobras helm” e apresentando aos leitores o novo presidente da empresa, o carioca Jose Eduardo Dutra, então com 45 anos. A reportagem era ilustrada com uma foto do desfile da posse do presidente Luiz Inacio Lula da Silva, recém-eleito. Reservava ainda uma coluna inteira para a nomeação de Dilma Rousseff como “Mines and Energy Minister”. Enquanto 99% dos brasileiros não fazia ideia de quem era Dilma Rousseff, o jornal escandinavo já detalhava as características da nova ministra, antecipando seu perfil controlador (“The impression that a Rousseff-run ministry will exert greater control over the sector was reinforced when she accompanied new Petrobras president Jose Eduardo Dutra at his first press conference. Dutra deferred to Rousseff for most questions, and the minister took the opportunity to remind journalists that the government, not Petrobras, should provide answers on issues ranging from fuel prices to the national content of contracts for offshore production units.”) Para bom entendedor, meia palavra basta – mesmo se escrita em inglês… Em tempo: nosso anúncio saiu espelhado na página 7. Foi o maior anúncio da edição e o único de uma empresa brasileira que localizei no exemplar, que integra a coleção da agência. #TN22

Agência, Clientes | Comente

Quem conhece, se apaixona

Na campanha “Petrópolis: quem conhece, se apaixona”, criada pela Todos Nós há mais de uma década, a Catedral São Pedro de Alcântara sempre figurou como estrela. E bom que, mesmo nestes tempos de restrição, ela está entre as atrações disponíveis para visitação no Centro Histórico de Petrópolis – e, como sempre, vale a visita. Desde a primeira quinzena de julho a cidade voltou a aceitar visitantes e agora em setembro foi autorizada a entrada de ônibus intermunicipais. Vale destacar que a Rua Teresa, bares e restaurantes estão funcionando, mas os museus ainda não definiram a data de reabertura. Visitantes são bem-vindos – mas convém ressaltar que é necessária a comprovação da reserva de hospedagem (e que o uso de máscaras permanece obrigatório em toda a cidade). #TN22

Agência, Clientes | Comente

Máscara que nada

Instigante busdoor que veiculamos no Rio de Janeiro e Niterói para o nosso cliente Libertá Viagens, em um distante verão. À época, “hotéis de gelo” eram um sonho de consumo (que nosso cliente fazia acontecer). Hoje pareceria anúncio de isolamento radical. Talvez com o título “Muito mais que uma máscara”.

Agência, Clientes | Comente

O Rei Soldado

Na próxima segunda-feira o Brasil celebra 198 anos de independência de Portugal. O momento não é para comemorações. Pandemia, recessão, escândalos diversos e corrupção são o noticiário monotemático. Ainda assim, vale uma reverência à data. História é para ser lembrada. A Todos Nós já teve a satisfação de ir além da narrativa de D. Pedro I como o protagonista do grito do Ipiranga. Em um job para o Sebrae, visando o mercado turístico francófono, contamos a epopeia de D. Pedro IV, o Rei Soldado – o nosso mesmo D. Pedro I, que atravessou o Atlântico para fazer guerra contra seu irmão D. Miguel. Foi, venceu e morreu. A delicada edição que preparamos contava, em francês, toda esta aventura, que terminava com o filho imperador, D. Pedro II, em Petrópolis. O fim dessa história você encontra no Museu Imperial. Assim que reabrir.

Agência, Clientes | Comente

Pesquisa em primeiro lugar

Pesquisa, quanto mais, melhor. Para entender a pandemia, para mensurar mercado, para projetar políticas públicas. O job da Todos Nós para a paulistana Planner Research, empresa especializada em pesquisa de mercado, envolveu recriação de logomarca e anúncio de página inteira. Mais um trabalho gratificante para a agência.

Agência, Clientes | Comente

História do jornalismo

Semana importante em que o Brasil completa 198 anos da independência do país. A situação em si é até hoje controvertida, e os historiadores vêm abrindo novas janelas para um entendimento mais agudo do período. Um dado de relevância inconteste era o poder então recém-adquirido da mídia impressa. Já naquela época o jogo político incluía o apoio da imprensa para fortalecer movimentos pró e contra o governo. Os anos que se seguiram à nossa ruptura com Portugal foram conturbados e o Imperador D. Pedro I investiu pesadamente na sua rede de apoio midiática (muito antes da expressão aportar por aqui), entre eles o Jornal do Commercio. O fato integra um contexto histórico e a Todos Nós, como agência contratada, não fez disso segredo – a peça publicitária que criamos para celebrar a data foi publicada no formato de meia página no próprio JC. Esta proximidade dos meios de comunicação com os governos, desejada ou não, é parte da História. A lendária Última Hora foi montada para dar suporte à nova candidatura de Getúlio Vargas nos anos 50 – e, após ter cumprido sua missão oculta e ter revolucionado a linguagem jornalística no Brasil (mérito de Samuel Wainer, profissional brilhante que teve uma nova biografia lançada esta semana), definhou e sucumbiu. Não só a UH, os exemplos contam-se às centenas. A própria TV Globo é apontada como tendo sido financiada pela ditadura militar de 64, com o mérito de, com a passagem dos anos (e dos governos, principalmente), ter se desvencilhado da herança e construído um caminho autônomo. O Jornal do Commercio teve diversos grandes momentos enquanto cumpria a sua longa história, em alguns deles sendo o mais importante jornal do país. Verdade que não foi capaz de superar os desafios do século 21, mas poucos remanescentes da primeira metade do século 19 o foram e serão. Muitos jornalistas e profissionais lembram com carinho o tempo em que estiveram no JC. Eu compartilho esta boa lembrança também.

 

Agência, Clientes | Comente

O Apolinho

Hoje o meu (o nosso!) amigo Washington Rodrigues completa mais um ano da sua trajetória ímpar. Como bem disse o Clóvis, hoje é o “Dia Internacional do Apolinho”. Nós comemoramos aqui também, afinal de contas o Apolinho é o garoto-propaganda mais badalado da história da Todos Nós (segue aí uma palhinha das centenas de peças que ele estrelou). Nós, a torcida do Flamengo e todas as outra torcidas reunidas desejamos toda a saúde e felicidade do mundo para esse cara sem igual.

Agência, Clientes | Comente

Além fronteira

Uma constante no portfolio da Todos Nós foram os trabalhos para empresas de intensa atuação no mercado estrangeiro. Como neste job para a Latasa, divulgando a presença abrangente da companhia na América do Sul. Páginas ímpares sequenciais em revista.

Agência, Clientes | Comente

Alfredo Raymundo

Há exatos dez anos, a Todos Nós teve a satisfação de poder homenagear um nome histórico do rádio brasileiro. Um nome que marcou a carreira de centenas de profissionais – e a da Todos Nós também. Alfredo Raymundo. Exemplar no talento, exemplar na conduta. Um ser humano que trouxe sentido real a uma expressão tão empregada hoje em dia – deixar um legado. Sem sombra de dúvida, Alfredo Raymundo Filho deixou o dele. Um legado que vai perdurar ainda por muitas décadas.

Agência, Mercado | Comente

Night & day

Arte pela qual sempre tive um carinho especial aqui na Todos Nós foi o poster que reunia detalhes dos principais ícones de Petrópolis. Nesta peça, eles estão representados em dois momentos: na luz do fim de tarde e sob a noite estrelada (houve uma outra ilustração, de sol a pino). Foi um trabalho delicado de um dos maiores artistas que passaram pela agência, e que já havia me dado mostra do seu talento nos nossos tempos de JB. O job, para uso pontual, foi feito para a Petrotur, que, com a passagem das décadas, foi substituída na responsabilidade de coordenar o turismo da cidade por outras entidades do município. #TN22

Agência, Clientes | Comente

Na vanguarda

Cada vez mais se valoriza o poder natural das mulheres de liderar e decidir. Nada mais justo. E bacana que muitas das peças criadas pela Todos Nós no início dos anos 2000 já destacavam esta característica no Jornal do Commercio – da linha editorial ao perfil das suas leitoras. Fato é que nenhum jornal se mantém relevante através das décadas se não estiver na vanguarda do seu tempo.

Agência, Clientes | Comente

Conquista bem marcada

O job para divulgação das Canetas Compactor como a empresa de melhor performance do país no segmento, em 2003, foi entregue à Todos Nós. Na criação do rodapé em três páginas ímpares sequenciais a gente não deixou por menos: deu destaque também a um segundo produto da companhia, o marca-texto. No caso, prata da casa. #TN22

Agência, Clientes | Comente

Admire… de máscara

Esta peça criada pela Todos Nós para a Plurex, alguns anos atrás, era sobretudo uma homenagem ao Rio – pra lá de oportuna em um domingo bonito como o de ontem. Nos tempos de hoje, pena, quanto menos gente sair à rua, mesmo que seja só para admirar a cidade, melhor. Curta o Rio pela telinha. O cuidado de cada um é a proteção de todos.

Agência, Clientes | Comente
  • Twitter